sábado, 10 de novembro de 2007

Princípio 10/90

Outro dia eu estava ouvinda a CBN, e um comentarista, não lembro qual, citou esse princípio, que eu achei Muito interessante.
Pesquisando na Internet, descobri que este princípio faz parte do livro "Os sete hábitos das pessoas altamente eficientes." de Stephen Covey, e diz o seguinte.

Certas coisas na nossa vida acontecem sem que a gente tenha nenhum controle sobre elas, isso dá uns 10% da sua vida, ous outros 90% tem relação direta ao modo como você reagiu aos 10%.

Esta é a historinha que ele colocou no livro pra ilustrar esse princípio:


Nosso personagem está tomando o café da manhã com a família. Sua filha, ao pegar a xícara, deixa o café cair na sua camisa branca de trabalho. Ele não tem controle sobre isto. O que acontecerá em seguida será determinado pela reação dele. Então, ele se irrita, repreende severamente a filha e ela começa a chorar. Continuando, censura a esposa por ter colocado a xícara muito na beirada da mesa. E tem prosseguimento uma batalha verbal. Contrariado e resmungando, ele vai mudar de camisa. Quando volta, encontra sua filha chorando mais ainda e ela acaba perdendo o ônibus para a
escola. A esposa vai para o trabalho, também contrariada. Daí ele não vê outra alternativa do que levar a filha, de carro, para a escola. Como está atrasado, ele dirige em alta velocidade e é multado. Depois de 15 minutos de atraso, uma discussão com o guarda de trânsito e uma multa, eles chegam à escola, onde a filha entra, sem se despedir dele. Ao chegar atrasado ao escritório, nosso personagem percebe que esqueceu sua maleta. O dia dele começou mal e parece que ficará pior. Ele fica então ansioso para o dia acabar e, quando chega em casa, sua esposa e sua filha estão de cara fechada, em silêncio e frias com ele. Por quê? Por causa de sua reação ao acontecido no café da manhã.

Pense então: Por que o dia dele foi tão ruim?
A) por causa do café?
B- por causa de sua filha?
C) por causa de sua esposa?
D) por causa da multa de trânsito?
E) por causa dele mesmo?

A resposta correta é a E.

Ele não teve controle sobre o que aconteceu com o café, mas o modo como ele reagiu naqueles cinco minutos foi o que deixou seu dia ruim.

O café cai na camisa dele. Sua filha começa a chorar. Então, ele diz a ela, gentilmente: "está bem, querida, você só precisa ter mais cuidado". Depois de pegar outra camisa e a pasta executiva, ele volta, olha pela janela e vê a filha pegando o ônibus. Dá um sorriso e ela retribui, dando adeus com a mão.


Certamente vocês notaram a diferença. Foram duas situações iguais que terminaram de forma diferente, porque os tais 90% foram determinados pela reação dele.

Como você tem reagido ao que acontece no seu dia-a dia? Com as coisas que você não pode controlar? Voc6e se irrita? Grita? xinga? ou tenta tirar o melhor da situação?
Tenta promover a paz, não só a sua, mas a de todos que estão em volta?
faz comentários sarcásticos?
Se irrita e põe tudo a perder?

O que você faz?

quarta-feira, 7 de novembro de 2007

Tão Perto... Tão Longe...

Outro dia a Dri recebeu em casa uma coisa que hoje parece ultrapassada... Cartões postais.
Apesar do anacronismo, hoje nessa era de web, e-mail, MSN. Os cartões pareceram uma coisa do passado. Então eu me lembrei de outra coisa do passado... Cartas.
Hoje em dia, pelo menos em nosso meio social, é raro escrevermos cartas a alguém. Pela facilidade do e-mail, a comunicação está cada vez mais instantânea, e sem qualidade. Tudo está cada vez mais rápido, e o contato entre as pessoas, mais frio e impessoal.
Mesmo usando animações prontas na mesnagem, nomes brilhantes, enfeites mil, o conteúdo se perde. Está cada vez mais vazio.
Uma analogia que eu ouvi no rádio outro dia, faz cada vez mais sentido. Parece que estão todos em seus bunkers, mandando mensagens curtas uns aos outros.
Costumes se perdem, costumes que antes uniam as pessoas.
Até mesmo pela falta de tempo, a gente não tem mais tanto tempo pra dedicar aos amigos. Faça um simples teste. Quantas vezes você fez um jantar para seus amigos em sua casa? (comida pronta não vale...) Quantas vezes você dedicou seu tempo para fazer algo por um amigo?
Eu me lembro que sepre que vinha alguém em casa, minha mãe fazia pratos e pratos, para receber a visita. E nós? Pedimos pizza e conversamos com um olho no relógio, para "controlar o volume" da conversa. para que o vizinho não reclame... Como conseguir qualidade desse jeito?
Moramos fechados em nossos mundos, sem liberdade, sem tempo.

Então, pare um pouco, diminua o rítmo, chame uns amigos pra conversar... sem pressa. E se possível cozinhe para ele. Faça seu prato predileto. Ou o dele.
Ou então, gaste um tempo, sozinho, sem o apelo da internet, do computador, do trabalho, ache um canto quieto e sossegado, e escreva uma carta para um amigo, ou amiga. Você vai ver como vai parecer muito mais pessoal e calorosa que e-mail ou outras coisas.