segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Parabéns

Hoje foi dia de eleição, e o partido que eu não queria venceu.
Mas tenho que dar os parabéns aqueles que votaram no atual governo.
Parabéns a todos que acreditam na Dilma, Vocês terão mais 4 anos de governo.
Parabéns a todos os petistas de coração. A estratégia de desconstrução dos adversários que vocês usaram funcionou perfeitamente. Parece que a lição dada pelo Collor na década de 90 foi bem aprendida, e aplicada com perfeição.
Parabéns para você que acha que a situação atual está boa, para você que realmente acredita que o crescimento pífio deste ano foi realmente culpa da crise externa, sendo que nossos vizinhos cresceram mais que nós.
Parabéns para você que acredita que os desvios nos correios, na Petrobras s são obras isoladas de políticos que fizeram tudo sozinhos sem conhecimento do partido, apesar de sempre ter um tesoureiro do PT envolvido.
Parabéns para você que não acha estranho que assaltantes notórios da nação e que eram execrados pelo partido que hoje está no poder hoje estejam ao lado deste mesmo partido. Que não acham estanho, Maluf, Sarney, Color, Temer, serem aliados deste mesmo partido. Para mim, aquele PT ideológico, fundamentado em princípios sólidos, que parecia ser o único partido político nacional com um mínimo de proposta ideológica, morreu no dia em que o Lula apertou a mão do Maluf.
Parabéns para todos que em junho saíram às ruas pedindo mudanças, mas que na verdade foram na onda. Saíram às ruas porque era legal, "da moda". E agora que tiveram a oportunidade de mudar algo optaram por não fazê-lo. Vocês acabaram de provar que vocês eram apenas arroz de festa.
Parabéns àqueles que como eu acreditaram que depois de julho algo mudaria na política do País e foram solenemente enrolados nesse assunto específico
Parabéns para você que se viu sem opção, achando que a alternativa apresentada era pior que manter o mesmo. Pode ficar tranquilo, não haverá mudança.
Na minha opinião fecal, não foi o norte e o nordeste que reelegeram a Dilma, mas todos os petistas de coração e todos aqueles que eu dei parabéns acima. Ao contrário do que muitos pensam, não acho que foi o bolsa-família do nordeste que elegeu a Dilma. Aliás não acho que tenha sido o bolsa-família em qualquer região que garantiu a reeleição da Dilma, afinal o Aécio disse, mais de uma vez, que manteria o programa, as pessoas que decidiram não acreditar nele.
Acredito que a derrota do Aécio foi um erro estratégico, foi não conseguir "fazer a lição de casa" e perder em sua própria casa. Minas Gerais hoje é petista. O estado onde Aécio foi governador, de onde ele saiu com mais de 80% de aprovação não votou nele na mesma proporção, e isso foi determinante.
Pra terminar, como cristão que sou, não há como terminar sem citar Deus, para acabar com todo o murmúrio, inclusive o meu :
Rom 13:1 - 13:7
Capítulo 13
Submissão às Autoridades
1 Todos devem sujeitar- se às autoridades governamentais, pois não há autoridade que não venha de Deus; as autoridades que existem foram por ele estabelecidas.
2 Portanto, aquele que se rebela contra a autoridade está se colocando contra o que Deus instituiu, e aqueles que assim procedem trazem condenação sobre si mesmos.
3 Pois os governantes não devem ser temidos, a não ser pelos que praticam o mal. Você quer viver livre do medo da autoridade? Pratique o bem, e ela o enaltecerá.
4 Pois é serva de Deus para o seu bem. Mas se você praticar o mal, tenha medo, pois ela não porta a espada sem motivo. É serva de Deus, agente da justiça para punir quem pratica o mal.
5 Portanto, é necessário que sejamos submissos às autoridades, não apenas por causa da possibilidade de uma punição, mas também por questão de consciência.
6 É por isso também que vocês pagam imposto, pois as autoridades estão a serviço de Deus, sempre dedicadas a esse trabalho.
7 Dêem a cada um o que lhe é devido:se imposto, imposto; se tributo, tributo; se temor, temor; se honra, honra.
(PortNVI)

Cabe a nós cumprir as leis e fiscalizar aqueles que estão lá para nos governar.E fazer o melhor para nosso País, independente de partido (se é que isto existe nesse país...).